domingo, 24 de setembro de 2017

Karlström e Jingjing adiantam-se no Taihu

Pormenores da partida conjunta e dos pódios individuais.
Fotos: Ever Palma, Perseus Karlstrom e Antonella Palmisano.
Montagem: O Marchador
Perseus Karlström e Nie Jingjing venceram na manhã deste domingo a primeira etapa (20 km) da Volta ao Taihu, prova que decorre na região envolvente do Lago Taihu, na China, e tem este ano a quinta edição. O sueco, que se isolou no início da segunda metade da prova depois de um fase inicial com preponderância do bielorrusso Dzmitry Dziubin, cumpriu a distância em 1.24.19 h, menos dois segundos que o sul-africano Lebogang Shange e o brasileiro Caio Bonfim, segundo e terceiro, respectivamente.

Quanto à chinesa, gastou nos 20 km 1.30.13 h, ganhando 19 segundos à italiana Antonella Palmisano e um minuto e 13 segundos à brasileira Erica de Sena, suas companheiras no pódio individual do dia. Com partida conjunta de homens e mulheres, Jingjing e Palmisano foram na fase inicial as únicas atletas que se posicionaram entre os masculinos, enquanto mais atrás a colombiana Sandra Arenas se apoderava da terceira posição, de que viria a ser desalojada por Sena já no meio quilómetro final.

Por equipas, a formação Latin Power (Caio Bonfim, Andres Chocho, Isaac Palma, Ever Palma e Lebogang Shange) acumulou 4.13.55 h, o que lhe permitiu 7.48 minutos de vantagem sobre a primeira equipa chinesa (Yang Hu, Zhang Jun, Zhu Guowen, Jin Xiangqian e Song Huazhang, 4.21.43). Outra equipa chinesa, da província da Mongólia Interior (Gao Wenkui, Xu Faguang, Li Liangyong, Wu Qianlong e Zhang Mingkai), assegurou o terceiro posto, com 4.26.29 h.

Na classificação colectiva feminina, bem mais equilibrada que a dos homens, as Heroes (Antonella Palmisano, Brigita Virbalyte-Dimsiene e Viktoria Madarasz) averbaram um total de 4.36.35 h, adiante da Inter F3 (Nadia Borovska, Inna Kashyna, Ainhoa Pinedo e Júlia Takacs, 4.39.04) e das Latinas (Erica de Sena, Sandra Arenas e Kimberly García, 4.39.41).

Segunda-feira cumpre-se a segunda etapa, uma tirada bem mais curta, com 10 km, a cumprir no centro urbano da cidade de Mudu.

De assinalar que esta competição tem regras específicas, este ano estabelecidas do seguinte modo: primeiro cartão vermelho, apenas aviso; segundo cartão vermelho, penalização de 30 segundos no «pit lane»; terceiro cartão, mais 60 segundos no «pit lane»; quarto cartão, mais 90 segundos no «pit lane»; quinto cartão, desclassificação.

Classificações (parciais)
1.ª etapa (24 de Setembro)
20 km masculinos
1.º, Perseus Karlstrom (Suécia), 1.24.19
2.º, Lebogang Change (África do Sul), 1.24.21
3.º, Caio Bonfim (Brasil), 1.24.21
4.º, Dane Bird-Smith (Austrália), 1.24.22
5.º, Jin Xiangqian (China), 1.24.24
6.º, Andres Chocho (Equador), 1.25.13
7.º, Evan Dunfee (Canadá), 1.25.45
8.º, Ruslan Dmytrenko (Ucrânia), 1.26.03
(...)

Por equipas
1.ª, Latin Power (Caio Bonfim, Andres Chocho, Isaac Palma, Ever Palma e Lebogang Shange), 4.13.55
2.ª, China (Yang Hu, Zhang Jun, Zhu Guowen, Jin Xiangqian e Song Huazhang), 4.21.43
3.ª, Mongólia Interior (Gao Wenkui, Xu Faguang, Li Liangyong, Wu Qianlong e Zhang Mingkai), 4.26.29

20 km femininos
1.ª, Jingjing Nie (China), 1.30.13
2.ª, Antonella Palmisano (Itália), 1.30.32
3.ª, Erica Rocha de Sena (Brasil), 1.31.26
4.ª, Sandra Lorena Arenas (Colômbia), 1.32.29
5.ª, Ainhoa Pinedo (Espanha), 1.32.37
6.ª, Nadia Borovska (Ucrânia), 1.32.55
7.ª, Brigita Virbalyte (Lituânia), 1.33.00
8.ª, Viktoria Madarasz (Hungria), 1.33.03
9.ª, Júlia Takacs (Espanha), 1.33.32
10.ª, Yehualeye Beletew (Etiópia), 1.33.33
11.ª, Maocuo Li (China), 1.33.53
12.ª, Claire Tallent (Austrália), 1.35.01
13.ª, Inna Kashyna (Ucrânia), 1.35.26
14.ª, Kimberly García (Peru), 1.35.46
15.ª, Sandra Galvis (Colômbia), 1.36.58
16.ª, Lijuan Xie (China), 1.37.43
17.ª, Yanxue Mao (China), 1.38.12
18.ª, Hanna Drabenia (Bielorrússia), 1.38.58
19.ª, Alana Barber (Nova Zelândia), 1.39.02
20.ª, Yumin Chen (China), 1.39.42
(...)

Por equipas
1.ª, Heroes (Antonella Palmisano, Brigita Virbalyte-Dimsiene e Viktoria Madarasz), 4.36.35
2.ª, Inter F3 (Nadia Borovska, Inna Kashyna, Ainhoa Pinedo e Júlia Takacs), 4.39.04
3.ª, Latinas (Erica de Sena, Sandra Arenas e Kimberly García), 4.39.41

A marcha atlética na Taça da Croácia em Zagreb (resultados)

As frentes masculina e feminina na Taça da Croácia.
Fotos: Atletski Klub Agram
Montagem: O Marchador
As provas de marcha sobre 5.000 metros do programa da Taça da Croácia de Atletismo em pista (16/17 Set.), evento de âmbito coletivo disputado em Zagreb, tiveram como vencedores os representantes do AK Agram, de Zagreb, Jurica Stanko, em masculinos, e Ivana Renić, em femininos.

A competição (mista) foi conduzida de forma tática, o que prejudicou a qualidade das marcas finais, e na chegada à meta, com grande supremacia da formação do AK Agram, de Zagreb, asseguraram as três primeiras posições do pódio Jurica Stanko (26.27,79), Bruno Erent (26.27,86) e Bruno Rožman (26.28,12), com escassas diferenças entre si mas sem que tivessem efetuado qualquer «sprint».

Nos femininos, e depois de sensivelmente a meio da prova Ivana Renić e Eli Pevec terem tomado a liderança à frente dos masculinos, estas classificaram-se por essa ordem com 26.40,09 e 26.46,97, respetivamente, com a colega de clube Klara Krenek a ser a terceira classificada (30.22,98).

De referir que os recordes da Croácia dos 5.000 metros ao ar livre pertencem, nos masculinos, a Bruno Erent, com 21.44,84, e nos femininos, a Ivana Renić, com 24.07,40, ambas as marcas obtidas este ano em Budapeste.

Classificações
5.000 m masculinos
1.º, Jurica Stanko, 1999 (AK Agram, Zagreb), 26.27,79
2.º, Bruno Erent, 1990 (AK Agram, Zagreb), 26.27,86
3.º, Bruno Rožman, 2001 (AK Agram, Zagreb), 26.28,12
4.º, Želimir Haubrih, 1963 (AK Dinamo Zrinjevac, Zagreb), 27.23,85
5.º, Ivan Haubrih, 2000 (AK Dinamo Zrinjevac, Zagreb), 27.45,93
6.º, Berislav Devčić, 1966 (MK Velika Gorica, Velika Gorica), 28.06,44
7.º, Marko Dimitrijević, 1998 (AK Dinamo Zrinjevac, Zagreb), 29.38,56
8.º, Ivan Gašpar, 2000 (AK Agram, Zagreb), 31.20,63
9.º, Mladen Tadić, 1959 (AK Dinamo Zrinjevac, Zagreb), 32.14,50

5.000 m femininos
1.ª, Ivana Renić, 1996 (AK Agram, Zagreb), 26.40,09
2.ª, Eli Pevec, 2001 (AK Agram, Zagreb), 26.46,97
3.ª, Klara Krenek, 2001 (AK Agram, Zagreb), 30.22,98
4.ª, Petra Štefanović, 2000 (AK Agram, Zagreb), 30.30,46
5.ª, Ana Jureta Posavec, 1973 (AK Dinamo Zrinjevac, Zagreb), 30.44,68
6.ª, Klaudia Dešić, 1998 (AK Agram, Zagreb), 35.41,55

sábado, 23 de setembro de 2017

27.º Grande Prémio de Marcha Atlética “Prof. Ivo da Silva” (resultados)

Partida da principal prova masculina, o pódio feminino e Ivo da Silva.
Fotos: fb Marcha Atlética Brasil
Montagem: O Marchador
Teve lugar no fim-de-semana passado (dia 16) mais uma edição do Grande Prémio de Marcha Atlética “Professor Ivo da Silva” - e já se contabilizam nada menos de 27 edições – disputada na Pista de Atletismo do Parque Ramiro Ruediger, em Blumenau, Santa Catarina, região das mais prósperas na atividade da especialidade no Brasil e onde, a par das competições levadas a efeito, têm sido também fomentadas ações de formação na área técnica e do ajuizamento.

Como tem sido usual, dois atletas da região destacaram-se nas principais provas do programa. Moacir Zimmermann e Nair da Rosa (ambos de Blumenau) venceram, o primeiro nos 10.000 metros marcha, com o tempo de 42.58,9, e a segunda nos 5.000 metros com a marca de 24.41,0. As provas foram ajuizadas por Rosangela Sloboda (juíza-chefe), Eliane Aparecida Lehmkuhl, Maria Estela Kuhn, Nelson Kuhl e Adailton José Minatti.

Moacir integrou a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, tendo participado na prova dos 20 km marcha. Nair, campeã pan-americana dos 50 km femininos (Lima/Perú) e detentora do recorde sul-americano na distância, fez parte do restrito (e histórico) grupo de atletas que participaram, pela primeira vez integrando esta especialidade, nuns mundiais, em Londres, em agosto último.

Mas quem, é Ivo da Silva, o organizador do evento (diretor da competição), personalidade de destaque na marcha atlética do país irmão e que, ano após ano, tem dinamizado fortemente a atividade?

Na década de oitenta, por proposta do próprio Ivo da Silva, foram introduzidas competições de marcha atlética no calendário de provas da Federação Catarinense de Atletismo. Era, então, o coordenador do atletismo da Prefeitura de Blumenau, em Santa Catarina. E passou a ser o responsável pelo atletismo na Federação do seu Estado e, paralelamente, devido à sua função de professor de Educação Física na Universidade de Blumenau, integrou a marcha atlética como disciplina de pleno direito nas aulas por si ministradas conseguindo com isso, a adesão de alguns dos seus alunos.

Ivo da Silva, cujo trabalho por si realizado, leva-nos a felicitá-lo vivamente, deu os seus primeiros frutos a partir de 1985, especialmente com Sérgio Gualdino que conquistou vários títulos nacionais e alguns sul-americanos, participando nos Jogos Olímpicos de Atlanta (1996), nas provas dos 20 e 50 km marcha. Mas foi em 1993 que este talentoso atleta de Blumenau conquistaria o primeiro resultado de excelência da marcha atlética brasileira em grandes eventos internacionais. Aconteceu nos campeonatos mundiais de atletismo, em Estugarda, o segundo dos seis em que participou, onde classificou-se na sexta posição da prova dos 20 km marcha com um novo recorde do Brasil (1:23:52). Seria o coroar de uma longa atividade internacional iniciada nos mundiais de Sub-20, em 1988, e cessada na Taça do Mundo de Marcha, em 2006.

Resultados completos do evento, aqui.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Federação espanhola divulgou projecto de calendário

Montagem: O Marchador
A Real Federação Espanhola de Atletismo, dando mostras do habitual bom e atempado trabalho, ainda antes dos mundiais de Londres divulgou no seu «site» (a 25 de Julho) o projecto de calendário para a época de 2017/2018, versão que actualizou em 14 de Setembro e que pode ser consultada aqui.

O emblemático «Gran Premio Cantones de A Coruña de Marcha - Sergio Vázquez» em 32.ª edição tem data prevista para 26 de Maio, evento que deverá integrar o Challenge de Marcha da IAAF para 2018.

Sobre os Campeonatos de Espanha específicos da disciplina da marcha, são apresentadas as seguintes datas:

10 Dez./2017: Campeonato de Marcha de Inverno de Promoção (…);

25 Fev./2018: Campeonato de Marcha em Estrada – 50 km Homens-20 km Senhoras (…), que incluiu as categorias de sub-20 e sub-16 (este por federações), e ainda os veteranos (20 km masc. e 10 km fem.);

18 Mar./2018: Campeonatos de Marcha de 20 km Absolutos e sub-23, masculinos (Castellón);

O projecto de calendário indica ainda o dia 18 de Novembro próximo para a 30.ª edição do Troféu "Espada Toledana" em Toledo, se bem que saibamos da existência de vários outros grandes prémios da disciplina pela atenta divulgação no «site» da AEMA (Associação Espanhola de Marcha Atlética).

Também será interessante perceber se a versão definitiva do calendário espanhol virá a contemplar o campeonato de 50 km para senhoras, decorrente dos recentes desenvolvimentos a nível internacional.

Relembra-se que no panorama internacional de veteranos em 2018, a Espanha é organizadora de 3 eventos com a disciplina da marcha incluída nos programas: de 19 a 24 de Março, o Campeonato da Europa de Pista Coberta – Madrid, de 18 a 20 de Maio, o Campeonato da Europa de Estrada – Alicante, e de 4 a 16 de Setembro, o Campeonato do Mundo de Pista – Málaga.

Locais e datas de outros eventos estão ainda por definir, o que deverá acontecer no próximo fim-de-semana, que se apresenta de intenso trabalho para a RFEA, com reuniões de presidentes e secretários-gerais das federações autónomas e várias outras actividades.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

De Volta ao Lago Taihu, na China

Fotos: 51SAI e O Marchador.
A espetacular Volta ao Lago Taihu (China), em marcha atlética, na região de Xuzhong, província de Suzhou, vai ter lugar este mês, com a realização de quatro etapas em dias seguidos (24 a 27), na distância global de 50,5 quilómetros, com cenários lindíssimos e a participação garantida de vários dos medalhados nos recentes mundiais de Londres, até porque a organização do evento colocará à disposição dos melhores atletas (os melhores do ranking mundial terão as despesas de viagem e alojamento pagas), prémios monetários de elevado montante.

Salvo o caso dos atletas chineses, que constituirão as suas próprias equipas, os atletas de outras nacionalidades juntar-se-ão em equipas mistas. O prémio monetário a atribuir às primeiras seis equipas é de cerca de 105 mil euros. No plano individual, apurada a classificação final, os 10 primeiros receberão o montante global de 64 mil euros (os primeiros masculino e feminino cerca de 8,500 euros). Em cada uma das quatro etapas, serão entregues aos 15 primeiros classificados cerca de 9.000 euros, recebendo ainda o “camisola amarela”, em cada uma das quatro etapas, aproximadamente, 900 euros. A par disto tudo, e como incentivo à participação dos jovens atletas chineses, as 6 primeiras equipas receberão um prémio de 183,000 euros.

Vários dos melhores atletas mundiais não interromperam os treinos após Londres para se apresentarem em boas condições físicas para estas exigentes competições da China, cuja primeira etapa terá a distância de 20 km, percorrida em redor do belo Lago Taihu. Neste dia terá lugar também uma caminhada que, no ano passado, envolveu a participação de 15.000 concorrentes. No segundo dia, haverá uma prova de 10 km, a realizar no centro citadino de Mudu. Depois, uma outra de 10,5 km, em Yuanboyuan e, finalmente, na última etapa, uma volta à região de Dongshan, na distância de 10 km. São muitos os milhares de pessoas que aplaudirão os atletas à sua passagem.  

Não se espera a presença de atletas portugueses (Ana Cabecinha, Inês Henriques e João Vieira teriam, certamente, condições vantajosas, face ao posicionamento no ranking mundial) o que, a confirmar-se, seria a primeira vez que tal aconteceria desde que em 2013 teve lugar a primeira edição do evento. Recorde-se que, entre outros, Susana Feitor participou nas três primeiras edições, Ana Cabecinha na primeira e última edições, Inês Henriques nas duas primeiras, e João Vieira na primeira.

Sem portugueses, assinalaremos, contudo, a participação dos dois mais credenciados atletas brasileiros da atualidade. Caio Bonfim (medalha de bronze nos 20 km dos mundiais de Londres) e Erica Sena (quarta nos mundiais e vencedora do Circuito Mundial da IAAF). Estarão apoiados pelos seus treinadores, Caio com Gianetti Bonfim (mãe) e Erica com Andrés Chocho (marido). E as suas equipas são, teoricamente, candidatas a lugares no pódio. Ele, que já fez parte da equipa vencedora do ano passado, terá a companhia de Andrés Chocho (Equador), Levogang Change (África do Sul) e Ever Palma (México). Ela terá como parceiras, Lorena Arenas (Colômbia) e Kimberly García (Perú).

O regulamento do evento pode ser encontrado aqui.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Jovem marchador esfaqueado mortalmente em Moscovo

O malogrado Nikolay Ivanov, vice-campeão russo de sub-23
nos 50 km (Cheboksary-2015). Fotos: VKontakte e
Min. Desportos da Chuváchia. Montagem: O Marchador
A tragédia ocorreu no dia 15 de Setembro, na Rua General Kuznetsov, em Zhulebino, Moscovo. O jovem marchador Nikolay Ivanov passeava com os amigos quando ouviu um pedido de ajuda de duas meninas que estavam a ser assediadas por um homem bêbado. Nikolay não hesitou e tentou resolver a desagradável situação, só que o agressor munido de uma faca, feriu-o gravemente no estômago. Prontamente assistido por uma ambulância foi levado ao hospital mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Nikolay Ivanov tinha 23 anos de idade e a sua treinadora, Tatiana Frolova, considerava-o uma promessa da marcha em Moscovo, tendo sido terceiro classificado numa prova nacional de seleção para os I Jogos Olímpicos da Juventude, em Singapura-2010. Nesse ano, e pouco depois de completar 16 anos, obteve 20.05,0 nos 5.000 metros em pista coberta (Moscovo, 10 Jan.) e 42.27 nos 10 km em estrada (Sóchi, 21 Fev.)

Regressado à competição depois de cumprir 2 anos de serviço militar, começou a especializar-se em distâncias mais longas. Em 2015, já com 21 anos, participou em Março nos 50 km do Circuito Internacional de Marcha de Chihuahua, no México (13.º, com 4.13.33) e em Junho foi vice-campeão russo de 50 km na categoria sub-23 em Cheboksary (4.22.29).

Em Fevereiro deste ano participou nos 35 km dos campeonatos nacionais disputados em Sóchi, prova que não concluiu por lesão.

À família e aos amigos do Nikolay, a equipa do blogue O Marchador expressa sentidas condolências.

Colaboração: Kristina Saltanovic

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Pohle e Zurek com títulos alemães de pista em Diez

Em cima, as principais provas e os vencedores, Pohle (dorsal 64) e
Zurek (66). Em baixo, veteranos em destaque: M40, Steffen Borsch
(46) e Malte Strunk (6); M75, Peter Schumm (4) e Christoph
Höhne (36); W40, Bianca Schenker (67) e Brit Schröter (68).
Fotos: Race Walk Pictures
Montagem: O Marchador
Os representantes do SC Potsdam, Hagen Pohle (10.000 metros) e Teresa Zurek (5.000 metros) sagraram-se campeões da Alemanha de pista por ocasião dos campeonatos realizados no sábado (16 Set.) em Diez, pequena e histórica cidade do distrito de Rhein-Lahn.

Pohle, com um final poderoso, surpreendeu o seu companheiro de equipa Christopher Linke, o campeão entre 2013 e 2016, registando na meta um novo recorde pessoal de 39.39,45 (anterior, 39.54,33 em Jüterbog-2013). Linke teve de se contentar com o segundo lugar com a marca de 40.10,08, e pouco depois chegava na terceira posição Nils Brembach, também do SC Potsdam, com 40.29,91. Karl Junghannß (LAC Erfurt), garantiu o título nacional sub-23, com 41.51,24.

Zurek, ainda sub-20, foi uma destacada vencedora com a marca de 23.43,16, à frente da veterana (W40) Bianca Schenker, do LG Vogtland, com 24.41,85. Outra sub-20 obteve o terceiro lugar absoluto, na circunstância Julia Richter, do SC Potsdam, com 24.55,02.

Uma nota para o veterano M40, Steffen Borsch (SV Halle e.V.) a competir em 2 provas: às 15.15 horas nos 5.000 metros, que venceu com 24.25,52, e às 17.15 horas nos 10.000 metros absolutos, 5.º classificado, com 45.57,91.

Resultados de outras provas de 5.000 metros masculinos e femininos, destinadas às diversas categorias de veteranos, podem ser consultados aqui.

Principais classificações
10.000 m masculinos absolutos
1.º, Hagen Pohle, 1992 (SC Potsdam), 39.39,45
2.º, Christopher Linke, 1988 (SC Potsdam), 40.10,08
3.º, Nils Brembach, 1993 (SC Potsdam), 40.29,91
4.º, Karl Junghannß, 1996 (LAC Erfurt), 41.51,24
5.º, Andreas Janker, 1983 (LG Röthenbach/Pegnitz), 44.11,14
6.º, Steffen Borsch, 1973 (SV Halle e.V.), 45.57,91

5.000 m femininos absolutos
1.ª, Teresa Zurek, 1998 (SC Potsdam), 23.43,16
2.ª, Bianca Schenker, 1974 (LG Vogtland), 24.41,85
3.ª, Julia Richter, 1999 (SC Potsdam), 24.55,02
4.ª, Brit Schröter, 1974 (LG Vogtland), 25.55,60
5.ª, Nicole Hörl, 1971 (Diezer TSK Oranien), 27.41,92
6.ª, Linda Betto, 1977 (TV Groß-Gerau), 27.47,96
7.ª, Julia Henze, 1998 (ASV Erfurt), 28.22,59
8.ª, Barbara Primas, 1965 (TSG Esslingen), 28.25,82
9.ª, Katrin Stasch, 1970 (LG Vogtland), 28.52,34
10.ª, Yvonne Bonneß, 1978 (ASV Erfurt), 30.13,24
11.ª, Yvonne Markgraf, 1975 (LG Süd Berlin), 32.02,83
12.ª, Andrea Maier, 1969 (SV Breitenbrunn), 32.28,79
13.ª, Angela Sänger, 1969 (DJK Blau-Weiß Annen), 33.33,81
14.ª, Monika Müller, 1964 (TV Groß-Gerau), 37.30,11

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Domínio finlandês nos Campeonatos Nórdicos de Marcha (pista)

Os campeonatos Nórdicos de Marcha, em Sätra, Estocolmo.
Fotos: Christer Svensson e Elisa Neuvonen
Montagem: O Marchador
Os campeonatos Nórdicos de Marcha em pista disputaram-se no passado domingo (17/9) em Sätra, um subúrbio de Estocolmo, na Suécia, com a Finlândia a dominar o evento, obtendo a primeira posição colectiva, com 78 pontos, contra 18 do país organizador e 14 da Noruega, e ainda 7 vitórias individuais (em 8 possíveis).

Ato Ibáñez, da Suécia, foi o único a quebrar a supremacia de vitórias dos finlandeses vencendo a prova de 20.000 metros seniores masculinos, com 1.28.42,77 e parciais por cada 5.000 metros em crescendo (22.41, 22.27, 21.49 e 21.46), contando ainda com a companhia no pódio do seu compatriota Anders Hansson, com 1.29.01,68, e de Elmo Koivunen, da Finlândia, com 1.34.07,86. Jaakko Määttänen (Finlândia, 1.41.32,03) foi o campeão sub-23.

Na prova de 10.000 metros femininos, Elisa Neuvonen, da Finlândia, confirmou a sua condição de favorita e cortando a meta na primeira posição, com 47.33,34 (23.48 e 23.45 em cada 5.000 metros). A veterana W35 Monica Svensson (Suécia, 48.08,48) e Tiia Kuikka (Finlândia, 49.12,18), ocuparam as segunda e terceira posições. Venla Laiho (Finlândia, 50.26,11) assegurou o título sub-23 sendo 5.ª na classificação geral.

Nos mais jovens, foram vencedores das suas provas, Joni Hava (10.000 m masc., 45.52,24) e Anniina Kivimäki (5.000 m fem., 25.36,84) nos sub-20, e Lauri Joukas (5.000 m masc., 23.29,15) e Sara Niittyviita (5.000 m fem., 26.17,35) nos sub-18, todos da Finlândia.

Registe-se a aplicação da regra do «Pit lane» pela primeira vez na Suécia.

Classificações
20.000 m masculinos
1.º, Ato Ibáñez, 1985 (Suécia), 1.28.42,77
2.º, Anders Hansson, 1992 (Suécia), 1.29.01,68
3.º, Elmo Koivunen, 1994 (Finlândia), 1.34.07,86
4.º, Timo Viljanen, 1977 (Finlândia), 1.39.16,50
5.º, Christer Svensson, 1969 (Suécia), 1.39.58,81
6.º, Jaakko Määttänen, 1999 (Finlândia), 1.41.32,03 - 1.º, sub-23

10.000 m femininos
1.ª, Elisa Neuvonen, 2001 (Finlândia), 47.33,34
2.ª, Monica Svensson, 1978 (Suécia), 48.08,48
3.ª, Tiia Kuikka, 1994 (Finlândia), 49.12,18
4.ª, Hele Haapaniemi, 1993 (Finlândia), 49.52,30
5.ª, Venla Laiho, 1995 (Finlândia), 50.26,11 - 1.ª, sub-23
6.ª, Elina Heikkinen, 1997 (Finlândia), 51.47,46 - 2.ª, sub-23
7.ª, Hanna Westerlund, 1997 (Finlândia), 54.02,45 - 3.ª, sub-23
8.ª, Fride Möller Flatin, 1997 (Noruega), 1.00.35,56 - 4.ª, sub-23
9.ª, Ellinor Hogrell, 1968 (Suécia), 1.08.02,28
Extra: Celeste Scheepers, 1960 (África do Sul), 1.06.35,98 (pit lane).

10.000 m masculinos sub-20
1.º, Joni Hava, 1999 (Finlândia), 45.52,24

5.000 m femininos sub-20
1.ª, Anniina Kivimäki, 1999 (Finlândia), 25.36,84
2.ª, Josefin Greiff, 1998 (Noruega), 27.21,20
3.ª, Lycke Karlsson, 1998 (Finlândia), 27.29,24

5.000 m masculinos sub-18
1.º, Lauri Joukas, 2001 (Finlândia), 23.29,15
2.º, Aatu Komulainen, 2000 (Finlândia), 23.42,11

5.000 m femininos sub-18
1.ª, Sara Niittyviita, 2001 (Finlândia), 26.17,35
2.ª, Lisa Måren Löseth, 2001 (Noruega), 26.52,30
3.ª, Netta Tuusjärvi, 2000 (Finlândia), 28.01,43

Fonte: Gang/Swedish Walking

domingo, 17 de setembro de 2017

Taça da Rússia de Marcha em Voronovo (resultados)

Os principais destaques na Taça da Rússia em Voronovo.
Fotos: Hodba e Voronovskoe
Montagem: O Marchador
Voronovo (Moscovo) recebeu no passado dia 10 mais uma edição da Taça da Rússia de Marcha, com provas em estrada de 35 km, 20 km, 10 km e 5 km, para diversos escalões etários, beneficiando de condições atmosféricas agradáveis, com a temperatura a rondar os 21 graus Celsius.

Nos 20 km masculinos, foi vencedor Vasiliy Mizinov, de 19 anos de idade, nascido em Magnitogorsk, na região de Czeliabinsk, atleta já com experiência internacional como sub-20 (2015: Múrcia e Eskiltsuna), com a marca de 1.23.18, ele que no Verão foi 2.º em Cheboksary mas com 1.21.48. Completaram o pódio outros atletas do escalão sub-23, Ivan Kakaev (1.24.57) e Andrey Triapkin (1.25.24), ambos da Mordóvia. Participaram 21 atletas.

Nos 20 km femininos, Tatiana Mineeva, da Mordóvia, venceu com 1.34.56, ela que foi campeã do mundo sub-20 em 2008, título que não viria a ser afetado pela suspensão de 2 anos que posteriormente teve por doping. Nadezda Sergeeva, multimedalhada sub-18 e sub-20 (Singapura-2010, Lille-2011, Saransk-2012 e Barcelona-2012), de Moskovskaya Oblast, com 1.35.46, foi a segunda classificada, e Ekaterina Liubushkina, de Cheliabinskaya, com 1.36.58, a terceira e primeira sub-23. 11 atletas alinharam à partida.

Nos 35 km, o jovem de 20 anos, Aleksey Kudashkin, da Mordóvia, com 2.34.36, foi destacado vencedor. Seguiram-lhe nas segunda e terceira posições Akeksandr Aysabakiev (Udmurtskaya Respublika, 2.39.24) e Maksim Vahrushev (Udmurtskaya Respublika, 2.43.24), numa prova que contou com 9 participantes.

Nos escalões mais jovens, registe-se os vencedores: nos sub-20 (10 km), Sergey Rakov (Mordóvia), com 42.36 (masc./16 atletas), e Margarita Nikiforova (Kemerovskaya Oblast), com 46.14 (fem./19 atletas); nos sub-18, Ivan Baburkin (Udmurtskaya Respublika), com 43.59 (10 km masc./19 atletas), e Elena Riabova (Mordóvia), com 23.14 (5 km fem./18 atletas).

A Mordóvia 1 dominou coletivamente, com 304 pontos, seguida da Udmurtskaya Respublika (225) e da Mordóvia 2 (174) nas posições de honra. As quarta e quinta posições foram para Celiabinskaya Oblast (158) e Moskva (132), entre 15 formações que alinharam no evento.

Resultados completos, aqui.

Colaboração: Kristina Saltanovic

sábado, 16 de setembro de 2017

Drahotová e Gdula vencem marcha nos campeonatos de clubes em Plzeň

Lukáš Gdula e Anežka Drahotová em competição e grupo que inclui
ainda Lukáš Pazdera e Michal Morvay. Fotos: ČAS - Eduard Erben
Montagem: O Marchador
Anežka Drahotová, do Univerzitní Sportovní Klub Praha, com 22.24,30, e Lukáš Gdula, do Hvězda Pardubice z.s., com 21.21,23, lideraram as provas de marcha sobre 5.000 metros dos Campeonatos de Clubes de Pista da República Checa que tiveram lugar em Plzeň (10 Setembro), a quarta cidade do país e mundialmente conhecida pela produção de cerveja

As provas, que foram mistas, tiveram em Hana Herberová (AK Olymp Brno, 25.12,73) e Lenka Borovičková (PSK Olymp Praha, z.s., 27.00,98) as segunda e terceira classificadas femininas, ambas veteranas, e iguais posições para Michal Morvay (Hvězda Pardubice z.s., 22.11,62) e Lukáš Pazdera (VSK Univerzita Brno, 22.23,63) nos masculinos.

Na classificação coletiva (todas as disciplinas) as vitórias pertenceram ao TJ Dukla Praha, em masculinos, e à Univerzitní Sportovní Klub Praha, em femininos.

Classificações
5.000 m femininos
1.ª, Anežka Drahotová, 1995 (Univerzitní Sportovní Klub Praha), 22.24,30
2.ª, Hana Herberová, 1981 (AK Olymp Brno), 25.12,73
3.ª, Lenka Borovičková, 1973 (PSK Olymp Praha, z.s.), 27.00,98
4.ª, Alena Kollegová, 1984 (SSK Vítkovice), 27.25,68
5.ª, Veronika Janošíková, 1998 (AK Olymp Brno), 27.37,65
6.ª, Sabina Bočková, 2001 (AK ŠKODA Plzeň), 31.10,64
7.ª, Jaroslava Pokorová, 1972 (AK ŠKODA Plzeň), 31.54,13

5.000 m masculinos
1.º, Lukáš Gdula, 1991 (Hvězda Pardubice z.s.), 21.21,23
2.º, Michal Morvay, 1996 (Hvězda Pardubice z.s.), 22.11,62
3.º, Lukáš Pazdera, 1986 (VSK Univerzita Brno), 22.23,63
4.º, Ondřej Motl, 1994 (ASK Slavia Praha), 23.20,93
5.º, Alexandr Malysa, 1997 (VSK Univerzita Brno), 23.51,24
6.º, Tomáš Gdula, 1997 (Hvězda Pardubice z.s.), 23.57,76
7.º, Pavel Schrom, 1991 (VSK Univerzita Brno), 24.41,49
8.º, Rostislav Rožnovský, 2000 (SSK Vítkovice), 25.56,77
9.º, Miroslav Fliegl, 1954 (PSK Olymp Praha, z.s.), 28.09,43
10.º, Petr Jindra, 1971 (PSK Olymp Praha, z.s.), 29.52,65
Desclassificado: Karel Ketner, 1990 (SSK Vítkovice).

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Kate Veale vence 8.º Triatlo de Sprint em Marcha Atlética

Partida dos 3.000 metros e pódios absolutos do «Sprint Triathlon»
Fotos: Frank van Ravensberg. Montagem: O Marchador
por Frank van Ravensberg

A muita chuva que caiu em Veenendaal no dia 9 de Setembro não foi suficiente para incomodar os marchadores. Foram de facto condições atmosféricas recorde, que resultaram numa catadupa de máximos pessoais. Kate Veale registou nesta oitava edição a segunda vitória no triatlo internacional de sprint em marcha, depois de ali ter ganho em 2012. Só que desta vez as marcas alcançadas foram bastante melhores do que há cinco anos, com apenas dois homens a conseguiram superá-la. Nos 2000 m, a antiga campeã mundial jovem pulverizou o recorde da prova, ao terminar com 8.58,03 m. Nos 3000 metros averbou 13.50,89 m, tendo tido nos 1000 metros a prova mais rápida (4.18,66).

Anne van Andel foi outra atleta a deixar boa impressão. A detentora do recorde holandês de 20 km terminou na segunda posição da classificação geral e tornou-se a mulher mais rápida de sempre da Holanda nos 1000 (4.25,91) e nos 2000 metros (9.46,73). Os anteriores máximos estavam cifrados em 4.35 (1984) e 9.50 (1980). Liesbet De Smet foi uma terceira antiga vencedora em Veenendaal a ocupar o pódio deste ano, com novo recorde pessoal nos 1000 m (5.08,02). Para De Smet tratou-se da sétima participação em oito edições.

Na competição masculina, Rick Liesting demonstrou continuar em muito boa forma. Após três títulos europeus conquistados em Arhus e o seu primeiro título nacional de 20 km, fez uma espantosa prova de 3000 m em Veenendaal. Com 12.17,81 m, Liesting bateu o recorde holandês da distância no escalão M40 por mais de um minuto, ao mesmo tempo que superava o recorde da prova, estabelecido em 2013 por Miroslav Uradnik. Liesting decidiu não tomar parte nas restantes duas provas do torneio, pelo que a vitória na geral foi para Rob Tersteeg, vencedor nos 1000 m (4.04,24) e nos 2000 m (8.49,01). Também vencedor em 2015, Tersteeg prepara-se agora para o campeonato holandês de 50 km (daí a três semanas, em Tilburg).

Remco de Bruin foi o segundo da classificação, tal como sucedera há um ano. Desta vez teve de ser mais rápido do que em 2016 para conseguir superar Kate Veale, que terminou logo a seguir a De Bruin (nas três provas). Wilfried van Bremen fechou o pódio geral.

Ao todo, participaram nesta edição 31 marchadores de cinco países. Bauke te Nijenhuis foi o mais velho em prova, tendo aos 81 anos assinado um novo recorde holandês do escalão M80 nos 3000 m (20.38,46). A mais jovem participante foi uma menina de 3 anos, Marit van Bremen, que cumpriu os 1000 m abaixo dos 10 minutos (média acima de 6 km/hora). Foi ela quem concitou as atenções, sorrindo durante toda a prova, numa demonstração de contentamento com toda a atenção que lhe foi dispensada.

Momentos houve em que atletas e juízes tiveram de abrigar-se da chuva, mas no final todos estavam satisfeitos com os resultados obtidos. Entre as 45 marcas obtidas pelo top 10 masculino e pelo top 5 feminino, 34 constituíram máximos pessoais em Veenendaal. Cada participante recebeu um diploma, um porta-chaves e a tradicional caneca com a estampa do crocodilo marchador. Houve ainda prémios para, entre outros, o melhor tecnicista (ganho por Kate Veale e Loes van Bremen), combatividade e melhor equipa.

Resultados completos, aqui.


Versão original


Kate Veale wins 8th Sprint Triathlon in Race Walking in Veenendaal

by Frank van Ravensberg

A lot of rainshowers in Veenendaal on the 9th op September, but the walkers didn't mind at all. It was really record weather with loads of personal bests as a result. Kate Veale went for her second victory in the 8th international sprint triathlon, after she won in 2012. However this year her results were a lot better than 5 years ago and only two men could beat her. On 2000 m the former world youth champion smashed the race record, when she finished in 8.58,03. On 3000 m she walked 13.50,89 and her fastest race was the 1000 m (4.18,66). Anne van Andel made a strong impression too. The Dutch 20 km record holder finished second in the general classification and she became the all time best female Dutch walker on 1000 m (4.25,91) and 2000 m (9.46,73). The old best performances were 4.35 (1984) and 9.50 (1980). Liesbet De Smet was a third former winner on the podium, she walked a personal best on the 1000 m (5.08,02). De Smet entered for the 7th time in 8 editions.

At the men's race Rick Liesting showed that he is still in a very good shape. After winning three European titles in Arhus and his first national 20 km title, he walked an amazing 3000 m in Veenendaal. With 12.17,81 he broke the national M40 record with more than a minute and he also broke Miroslav Uradnik's race record from 2013. Liesting decided not to walk on the other two distances, so the victory went to Rob Tersteeg who won the 1000 m (4.04,24) and the 2000 m (8.49,01). Tersteeg also won in 2015, now he's preparing for the national championship 50 km (in 3 weeks time in Tilburg). Remco de Bruin finished in second position, like he did last year. He had to walk faster than he did in 2016 to beat Kate Veale, who finished just behind him (3 times). Wilfried van Bremen completed the podium.

There were 31 walkers from 5 countries. Bauke te Nijenhuis was the oldest competitor, the 81 year old walked a Dutch record M80 on the 3000 m (20.38,46). The youngest competitor was a 3 year old girl, Marit van Bremen, who walked a 1000 m inside 10 minutes (average speed over 6 km/hour). She stole the show by laughing all the time and really enjoying all the attention that she got. Sometimes the walkers and the jury had to hide for the rain, but in the end everyone could be happy about the results. The top 10 men and the top 5 women set 45 results, of which 34 were the best they ever walked in Veenendaal. For each participant there was a diploma, a keychain and the traditional mug with a print of the walking crocodile. Besides there were prizes for, amongst others, the best walking style (won by Kate Veale and Loes van Bremen), fighting spirit and the best team.

Click here for Results.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Yohann Diniz voltou à atividade na festa do atletismo gaulês

DécaNation 2017: a festa e os participantes na prova de marcha.
Fotos: S. Kempinaire (KMSP)/ATHLE
Montagem: O Marchador
O campeão mundial dos 50 km marcha participou no último fim-de-semana na festa do atletismo gaulês denominada por «DécaNation», que teve lugar na cidade de Angers, uma iniciativa da Federação Francesa de Atletismo (FFA), competindo numa prova exibicional de 3.000 metros marcha, em pista, que venceu com a marca de 11:14.16, se bem que a performance não seria o principal objetivo do evento que cimenta uma parceria com a Câmara Municipal da cidade e a FFA até 2020. "Depois da bela época do atletismo francês, o objetivo era a de prolongar a festa e terminar em beleza", declarou André Giraud, presidente da FFA, que juntou, em honra dos cinco medalhados de Londres, três de ouro, toda a equipa francesa de atletismo.

Diniz, que tem ascendência portuguesa, comungou da satisfação e mesmo da honra que o momento representou para si mesmo, em se encontrar com a nova geração dos marchadores franceses (todos os que participaram nos grandes eventos mundiais foram convidados a associar-se à elite francesa), referindo que "a marcha atlética em França não é só Diniz", querendo com isto dizer que há um bom potencial pela frente. Uma boa jornada de promoção, que bem poderia ser seguida em Portugal, pela FPA, nomeadamente, aproveitando-se a extraordinária projeção da especialidade no nosso país, veiculada massivamente pelos órgãos de comunicação social, mercê da proeza da rio-maiorense Inês Henriques na prova feminina dos 50 km marcha, onde se sagrou campeã mundial, batendo o seu próprio recorde do mundo.

Yohann Diniz, que gozou um período de férias, antes da atividade de Angers, isto a conselho do seu treinador, Gilles Rocca, sugerindo-lhe que reflita no caminho que pretende seguir na sua carreira desportiva - não esconde um sonho: o de, daqui a três anos, nos Jogos Olímpicos de Tóquio, conquistar a única medalha que lhe falta numa grande competição internacional. Terá 42 anos e é certo que manterá o espírito que o tem caraterizado desde sempre: a perseverança. Para 2024, nos Jogos Olímpicos de Paris, recentemente anunciados pelo COI (Los Angeles acolherá os de 2028), já será demasiado tarde para o atleta de Reims, em termos competitivos, mas deseja um cargo na estrutura organizacional dos Jogos.

Classificação
3.000 m marcha masculinos
1.º, Yohann Diniz, 1978 (11.14,16), 11.14,16
2.º, Antonin Boyez, 1984 (11.44,75), 11.44,75
3.º, David Kuster, 1999 (11.50,19), 11.50,19
4.º, Justin Bournier, 1999 (12.16,22), 12.16,22
5.º, Aurélien Quinion, 1993 (12.36,19), 12.36,19
6.º, Ryan Gognies, 2000 (12.57,38), 12.57,38
7.º, Sébastien Delaunay, 1974 (12.57,86), 12.57,86

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Meeting «Città di Chivasso» - resultados

O vencedor masculino e o pódio feminino em Chivasso.
Fotos: Letizia Ponzano e F.Tontodonati
Montagem: O Marchador
O internacional Federico Tontodonati, do C.S. Aeronautica Militare, e a jovem promessa Martina Ansaldi, da A.S.D. Atl. Fossano'75, venceram as principais provas de marcha de 5.000 metros do 2.º Meeting «Città di Chivasso», e ainda 16.º «Verdatletica», realizado no dia 10 de Setembro na cidade de Chivasso, na região do Piemonte, província de Turim.

Tontodonati registou 19.26,86, superando em 8 centésimos de segundo o seu melhor na distância em pista coberta (19.26,94 em Pádua-2015) e em pista ao ar livre (19.32,89 em Milão-2014). As restantes posições do pódio foram ocupadas pelo sub-18 Giorgio Giuliani (C.U.S. Torino, 23.40,30) e sub-20 Edoardo Gagliardi (S.A.F.Atletica Piemonte A.S.D., 24.38,12). O primeiro sub-16 na distância seria 5.º na geral, Daniele Viglione (A.S.D. Atletica Alba, 24.55,39).

Ansaldi cortou a meta com o tempo de 23.55,59, não muito distante do seu recorde pessoal (23.45,40 este ano em Trento), à frente de Letizia Ponzano (CUS Pro Patria Milano, 26.25,60) e de Chiara Verteramo, sub-20 (C.U.S. Torino, 26.37,84).

Em outras provas de marcha para os mais jovens, venceram Alessia Titone (Safatletica SSD A RL), com 15.28,29 nos 3.000 metros sub-16 femininos, Francesco Piccarolo Francesco (C.U.S. Torino), com 10.36,65, e Sofia Giovannini (C.U.S. Torino), com 10.36,90, estes da categoria sub-14.

Principais classificações
5.000 m masculinos - geral
1.º, Federico Tontodonati, 1989 (C.S. Aeronautica Militare), 19.26,86 - sénior
2.º, Giorgio Giuliani, 2000 (C.U.S. Torino), 23.40,30 - sub-18
3.º, Edoardo Gagliardi, 1999 (S.A.F.Atletica Piemonte A.S.D.), 24.38,12 - sub-20
4.º, Giorgio Gueli, 2001 (Atletica Canavesana), 24.42,35 - sub-18
5.º, Daniele Viglione, 2002 (A.S.D. Atletica Alba), 24.55,39 - sub-16
6.º, Gianluca Carpinello, 2002 (A.S.D.Atletica Carmagnola), 26.10,10 - sub-16
7.º, Matteo Mandarino, 2003 (A.S.D. Atletica Team Carignano), 27.24,33 - sub-16
8.º, Alessandro Monge Cuniglia, 2000 (A.S.D. Atletica Team Carignano), 27.55,51 - sub-18
9.º, Matteo Canavese, 2001 (S.A.F.Atletica Piemonte A.S.D.), 27.59,49 - sub-18
10.º, Paolo Diego Fissore, 1955 (A.S.D. Atl. Fossano'75), 28.57,17 - M60
11.º, Giorgio Padovani, 1953 (Atletica Canavesana), 29.27,53 - M60
12.º, Marco Cazzamani, 2003 (Gruppo Sportivi Chivassesi), 29.43,50 - sub-16

5.000 m femininos - geral
1.ª, Martina Ansaldi, 1996 (A.S.D. Atl. Fossano'75), 23.55,59 - sub-23
2.ª, Letizia Ponzano, 1993 (CUS Pro Patria Milano), 26.25,60 - sénior
3.ª, Chiara Verteramo, 1999 (C.U.S. Torino), 26.37,84 - sub-20
4.ª, Adriana Paraninfo, 1965 (A.S.D. Atl. Fossano'75), 28.58,36 - W50
5.ª, Bianca Mottura, 1966 (A.S.D. Atl. Fossano'75), 29.01,66 - W50
6.ª, Giuseppina Comba, 1957 (A.S.D. Atl. Fossano'75), 29.42,30 - W60
7.ª, Anita Oberto, 2001 (Atletica Canavesana), 29.45,26 - sub-18

Mayra Herrera com recorde de 50 km da América do Norte, Central e Caribe

Mayra Herrera nos 50 km de Owego, Nova Iorque.
Fotos: fb Comité Olímpico Guatemalteco
Montagem: O Marchador
A marchadora guatemalteca Mayra Herrera obteve 4 horas 15 minutos e 40 segundos na prova de 50 km marcha realizada por ocasião dos Campeonatos Nacionais de 40 km dos E. U. da América, evento que teve lugar no passado dia 9 no Marvin Park, Owego, em Nova Iorque.

A marca agora obtida por Herrera, a estarem reunidas as condições de homologação, constituirá um novo recorde da América do Norte, América Central e Caribe (NACAC), batendo por 6 minutos e 11 segundos a que Kathleen Burnett conseguira em Londres (4.21.51) nos mundiais, a 13 de Agosto, onde a portuguesa Inês Henriques superou o recorde do mundo (4.05.56).

Mayra Carolina Herrera Pérez, de 28 anos de idade, olímpica em Londres-2012 e no Rio-2016, que ficou de fora dos mundiais de Londres-2017, decidiu preparar a prova maior para fazer história e ser primeira atleta do seu país, já com grande potencial na marcha atlética, a completar a distância dos 50 km. A estreia não podia ter corrido melhor para a atleta que numa manha fresca e chuvosa conseguiu uma interessante marca que a ter sido realizada nos campeonatos do mundo há um mês atrás (caso lhe fosse permitida a participação) lhe daria direito a subir à terceira posição do pódio.

Atleta lutadora, que em entrevista referiu ser proveniente de uma família humilde de 7 irmãos, sem grandes recursos financeiros, sempre foi hiperativa e com vontade de fazer algo. Iniciou-se no atletismo aos 7 anos e a partir aí seguiu o sonho de ser a melhor. É mãe do pequeno José Ángel, afirmando ser o melhor que lhe aconteceu, já que a chegada do filho mudou a sua maneira de ver a vida, nunca deixando de sonhar.

Não baixou os braços com a ausência do mundial de Londres e continuou a trabalhar ainda mais, tendo agora a recompensa de ser mais uma mulher a completar, e bem, a distância de 50 km, o que até há pouco tempo era oficialmente reservado só aos homens.

Colaboração: Kristina Saltanovic

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Campeonatos britânicos de 50 km e Manx de 20 km

Em cima, Dominic King e Alana Barber com os troféus de 20 km.
Em baixo, a prova  de 50 km, com os campeões David Walker
(dorsal 110) e Jayne Farquhar (48). Fotos: Manx Harriers
Montagem: O Marchador
Na cidade de Douglas, na Ilha de Man (3 Set.), tiveram lugar os campeonatos de marcha em estrada da Grã-Bretanha e ainda da Associação Inglesa de Marcha de 50 km, e Manx de 20 km, sob terríveis condições atmosféricas, nada usual nesta época do ano, até por aquelas paragens.

Na prova masculina de 20 km, com a ausência da principal figura britânica da atualidade, Tom Bosworth (sexto classificado nos Jogos do Rio), a vitória nesta edição sorriu a Dominic King, com 1.29.36, enquanto no setor feminino seria a neozelandesa Alana Barber a primeira a cortar a meta, com o tempo de 1.35.50.

Nos 50 km masculinos, o campeão, David Walker, registou o modesto tempo de 5.29.12, numa prova onde registou-se a participação de 13 atletas. Historicamente, assinale-se a introdução, pela primeira vez nos campeonatos britânicos dos 50 km femininos, com a participação de quatro mulheres, todas elas chegando ao final: Jayne Farquhar (6.01.31), Louise Hollings (6.08.21), Rebecca Greatbeatch (6.24.55) e Sharon Caine (6.32.39), mantendo-se o recorde britânico no tempo de 4.50.51, obtido por Sandra Brown, em Basildon, a 13 de julho de 1991.

Depois da extraordinária proeza da portuguesa Inês Henriques, nos históricos 50 km dos mundiais de Londres, com o título mundial na distância e a quebra do seu próprio recorde mundial, algumas federações com tradições na marcha atlética vão avançar, na próxima época, com os seus campeonatos nacionais, e dos casos que se conhecem, destacam-se a China e o Japão, duas das mais fortes potências da especialidade na atualidade. No caso português, a expetativa de se saber quantas mais mulheres aderem a disputar a distância.

Registe-se, por fim, que o lugar onde se realizaram os campeonatos tem uma larga história para a marcha atlética (nascida na Grã-Bretanha) pois foi aí que um dos seus principais percursores, Paris Walk, marchou 85 milhas (137 km) em 1852, facto que todos os anos é assinalado - este ano foi em junho - com a participação numa prova de longa distância, de 1.100 atletas.

Classificações
50 km masculinos/femininos
1., David Walker, M45 (Manx Harriers), 5.29.12
2., James Quirk, M45 (Manx Harriers), 5.37.20
3., Adrian Edwards, M55 (Lancashire W.C.), 5.42.45
4., Jayne Farquhar, W45 (Manx Harriers), 6.01.31 – 1.ª fem.
5., Dale Farquhar, M35 (Manx Harriers), 6.04.58
6., Stewart Jones, M45 (Manx Harriers), 6.05.50
7., Louise Hollings, W35 (Isle of Man Veterans), 6.08.21 – 2.ª, fem.
8., Rebecca Greatbatch, sénior (Manx Harriers), 6.24.55 – 3.ª, fem.
9., Sharon Cain, W45 (Western A.C.), 6.32.39 – 4.ª fem.
Desclassificado: Richard Gerrard, M45 (Manx Harriers).
Desistentes: Mark Byrne, M55 (Redcar R.W.C.), Matthew Haddock, M35 (Manx Harriers) e Adam Cowin, sénior (Manx Harriers).

20 km masculinos/femininos
1., Dominic King, sénior (Colchester Harriers), 1.29.36
2., Damian Blocki, sénior (MKL Szczecin - POL), 1.35.50
2., Alana Barber, sénior (Race Walking Aukland, NZL), 1.35.50 - fem.
4., Tom Partington, sub-20 (Manx Harriers), 1.41.27
5., Erika Kelly, sénior (Northern A.C.), 1.41.52 - fem.
6., Francisco Reis, M55 (Thames Valley Harriers), 1.45.42
7., Gianni Epifani, M45 (Manx Harriers), 1.47.48
8., Natalie Myers, sénior (City of Sheffield&Dearne A.C.), 2.01.37 - fem.
9., Malcolm Martin, M60 (Surrey Walking Club), 2.03.06
10., Bernie Johnson, W35 (Isle of Man Veterans), 2.16.27 - fem.
11., Nicola Raven, W55 (Manx Harriers), 2.17.58 - fem.
12., Maura Kelly, W50 (Northern A.C.), 2.26.48 - fem.
13., Angela Martin, W50 (Surrey Walking Club), 2.31.25 - fem.
Desclassificados: Daniel King, sénior (Colchester Harriers) e Guy Thomas, sénior (Tonbridge AC).